Resumo de A Lógica da Pesquisa Científica

Procurando pelo livro?
Nós temos o resumo! Obtenha os insights principais em apenas 10 minutos.

A Lógica da Pesquisa Científica resumo de livro
Comece hoje:
ou conheça os nossos planos

Avaliação

8

Qualidades

  • Abrangente
  • Inovativo
  • Clássico
  • Para Especialistas

Recomendação

Para entender como a ciência funciona, leia a obra clássica da filosofia de Karl Popper, publicada em alemão em 1935 e depois em inglês em 1959. Embora seja um desafio, você vai entender por que ela foi seminal para a filosofia da ciência no século XX. O argumento de Popper sobre o papel central da “falseabilidade” – na qual os cientistas testam as suas teorias ao tentarem contestá-las – é essencial. A narrativa de Popper é bastante lúcida. No entanto, ao abordar a natureza do conhecimento, ele assume que o leitor está familiarizado com o raciocínio epistemológico, bem como com uma série autores teóricos. A getAbstract recomenda este tratado inovador e influente de Popper, a cientistas, acadêmicos e qualquer pessoa interessada nas regras básicas da filosofia, das ciências ou do conhecimento.

Neste resumo, você vai aprender:

  • Como funciona a descoberta científica;
  • Por que é importante testar as ideias; e
  • Por que a “falseabilidade” é um conceito fundamental na avaliação das teorias científicas.
 

Sobre o autor

O filósofo e professor austríaco-britânico Sir Karl Raimund Popper (1902-1994) foi um dos filósofos da ciência mais influentes do século XX.

 

Resumo

A lógica da ciência

Toda a ciência procede de acordo com “regras metodológicas” ou “convenções” específicas. Tais regras se conectam intimamente a outras regras e práticas que distinguem um campo de outro. Os cientistas lançam enunciados e, em seguida os testam. Eles articulam hipóteses ou “sistemas de teorias”, para em seguida testá-los. A “lógica da descoberta científica” tanto segue como analisa os métodos das ciências empíricas.

A descoberta científica não é idêntica à “lógica indutiva”. As inferências são indutivas se passarem de enunciados particulares para verdades universais, mas não é possível utilizar a apenas a indução para testar teorias. Algumas pessoas podem considerar os “enunciados universais” como verdadeiros com base nas suas experiências pessoais, mas essa linha de pensamento não é válida na ciência. Desta forma, é possível apenas conhecer “enunciados singulares”. A justificativa para as “inferências indutivas” exige que se tenha um “princípio de indução” para demonstrar a verdade de determinada teoria. Este princípio não pode ser “puramente lógico”. Entre outros critérios, você deve ser capaz de testá-lo.

A ciência não é apenas uma questão...


Mais deste tópico

Os clientes que leem esse resumo também leem

Manual do Candidato
8
A Guerra à Ciência
9
Mapeando a Inovação
8
Um Olhar sobre o Todo
7
Não É Complicado
7
Problema Resolvido
8

Canais Relacionados

Comente sobre este resumo