Resumo de O Príncipe

Procurando pelo livro?
Nós temos o resumo! Obtenha os insights principais em apenas 10 minutos.

O Príncipe resumo de livro
Comece hoje:
ou conheça os nossos planos

Avaliação

9

Qualidades

  • Inovativo

Recomendação

Quando as pessoas descrevem o seu chefe como maquiavélico, você sabe o que elas querem dizer? Conheça o estrategista mais astuto da história, o instigador da ideia de que os fins justificam os meios e o principal proponente do domínio pela manipulação: Nicolau Maquiavel. Em seu trabalho clássico de 1513, O Príncipe, Maquiavel publicou um manual controverso e duradouro do poder político. O seu tema central é como os governantes renascentistas devem agir (defender o seu poder a todo custo) caso queiram prevalecer. Embora ele sugira alguns limites à violência e à crueldade, Maquiavel sustenta que um governante pode enganar, iludir, oprimir e até matar qualquer oponente, desde que os seus delitos sirvam à estabilidade do estado. Agora, será que isto define o seu chefe?

Sobre o autor

Nicolau Maquiavel nasceu em Florença em 1469. Depois que os Medicis e seu sucessor, Savonarola, perderam o poder em 1497, o novo “regime republicano” nomeou Maquiavel como secretário político. Nos tribunais, ele conheceu todos os principais líderes do seu tempo, servindo como diplomata e orientando os governantes florentinos a criarem um exército para proteger a república. Com a queda da república em 1513, os Medicis retornaram ao poder, demitiram Maquiavel e o torturaram como suspeito de conspiração. Aposentou-se na sua fazenda perto da cidade para escrever obras políticas – como O Príncipe, A Arte da Guerra e História de Florença –, além de um romance histórico e diversas poesias. Maquiavel nunca recuperou totalmente o favor dos Medicis. Ele morreu sem dinheiro em 21 de junho de 1527. O professor de literatura italiana e comparada da Universidade de Indiana Peter Bondanella traduziu e editou esta edição. O professor de política da Universidade de Princeton Maurizio Viroli escreveu a introdução.

 

Resumo

Duas formas de regimes

As pessoas vivem sob dois tipos de governança: ou elas são cidadãs de um estado livre – como uma república – ou são súditas de um principado – como no caso de uma autocracia. Um líder pode alcançar o domínio total por legado ou pela obtenção de novos territórios. O líder pode ser o fundador de novas entidades, como foi o caso em Milão, ou pode conquistar cidades e regiões existentes.

Um líder que herda o seu reino vai encontrar menos problemas ao governá-lo e mantê-lo. Em primeiro lugar, o povo aceita e respeita seu poder porque ele vem de uma longa tradição de liderança. E em segundo lugar, quaisquer oponentes em potencial estariam em desvantagem, pois precisariam recorrer à crueldade para conquistar o respeito, perdendo assim o apoio do povo.

A forma correta de conquista

A linguagem desempenha um papel importante na anexação bem-sucedida dos estados. Quando o novo território adicionado tem a mesma língua do território existente, o governante pode assumir o cargo expulsando a antiga família governante e mantendo as leis existentes. Na maioria dos casos, os súditos não apresentam problemas. No entanto, para afirmar...


Mais deste tópico

Os clientes que leem esse resumo também leem

Reis e Presidentes
8
O Fim do Século Asiático
8
Fim de uma Era
8
A Luta pela Catalunha
7
Vizinhos Mais Próximos
9
O Caminho da Servidão
9

Canais Relacionados

Comente sobre este resumo